Carlos Roberto -  CRS Palestrante

A vida,  os sentimentos e impressões em prosa e verso

Textos

PERSEGUIDOR DE PIPAS?

Quanta nostalgia me trazia aquela brisa gostosa em dias de céu azul, colorido pelas pipas de todos os formatos com suas  compridas rabiolas e até mesmo pelas capuchetas feitas com folha de jornal.

Vozes infantis ecoavam pelos descampados e olhos maravilhados não desgrudavam daquele pedaço de papel em evoluções e piruetas produzindo coreografia digna dos palcos mais exigentes.

A preocupação era com o desempenho da pipa e a destreza de quem a empinava.

O que aconteceu ?

As crianças mudaram?

Sei lá!

Hoje, o espetáculo das pipas cedeu espaço a uma competição ignóbil na qual sai vencedor aquele que conseguir subjugar a pipa do concorrente e, para isso, se munem os competidores com linhas muito resistentes e muito vidro moído cuidadosamente aderido em toda a extensão do cordel.

Quantas vidas já foram ceifadas em razão destas linhas se desprenderem e se colocarem bem no trajeto de ciclistas, motociclistas e até pedestres?

A discussão pode descambar para a falta de espaço para o lazer das crianças nas grandes cidades e daí progredir para a desnecessidade dessa mistura perigosa  feita sob o olhar  de cumplicidade de adultos ou, ainda, na cômoda negligência destes.


Quando vejo uma criança empinando uma pipa, o sentimento que desperta não é de nostalgia e sim de preocupação com a eventual linha com cerol  e da possibilidade de um acidente fatal.

Em tempos nos quais a violência grassa e muita gente morre vitimada por balas perdidas, vemos tantas outras morrendo de “linha perdida” e que acabam sempre achando uma jugular a ser cortada.

Será que estou me embrutecendo?

Será que de admirador me tornei em um perseguidor de pipas?
Carlos Souza
Enviado por Carlos Souza em 17/01/2008
Alterado em 17/01/2008


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras