Carlos Roberto -  CRS Palestrante

A vida,  os sentimentos e impressões em prosa e verso

Textos

A BENÇÃO DOS LIMÕES




Em meio à fina garoa que caia naquela tarde fria, parei meu carro num cruzamento e aguardava ansiosamente a abertura do sinal. O rádio ligado e o conforto interno do veículo me proporcionavam um tremendo bem estar. Absorto em meus pensamentos, vi surgir uma senhora com o rosto molhado e com roupa simples e úmida, caminhando em direção do carro  e trazendo numa das mãos, uma redinha cheia de limões. Sempre fui avesso a esse comércio dos semáforos, então, agitei o indicador como se fosse um limpador de pára-brisa e imediatamente a mulher entendeu que eu não estava a fim de comprar sua mercadoria.
Num lampejo mental, me dei conta de que aquela senhora esboçava ansiedade  em seu rosto cansado quando me ofereceu os limões. Nem sei se a mulher  ela tem filhos ou não, mas em meu pensamento imaginei crianças em volta de uma mesa e os pratos vazios porque a mãe nada vendera. Pensei comigo: __ Ninguém se submete à uma intempérie dessas se não estiver necessitando.
Abri imediatamente o vidro do meu lado e bradei: ___ Quanto é?
A mulher voltou-se e respondeu:__É um real moço!
Pedi um saco de limões e entreguei a ela o dinheiro.
Antes de fechar o vidro ouvi uma frase que me fez chorar de emoção, pois senti que era uma frase sincera vinda do fundo de um coração agradecido.
__Deus te abençoe moço!
Senti-me devedor, pois nem um real e nem dinheiro algum do mundo pode pagar aquela frase abençoadora. Sai dali rogando a Deus que abençoe muito  a família daquela senhora.
 


Carlos Souza
Enviado por Carlos Souza em 03/07/2008
Alterado em 03/07/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras