Carlos Roberto -  CRS Palestrante

A vida,  os sentimentos e impressões em prosa e verso

Textos


Sou péssimo vendedor, mas já vendi verdura, sandálias de dedo e até sabão. Mas a minha experiência mais triste foi  mesmo vendendo sabão.
Eu comprava o produto numa fábrica lá no Km18, aqui em Osasco, e com a mercadoria numa sacola eu percorria as ruas dos bairros de Osasco para revendê-la. No final do dia estava com as mãos feridas, pois manejava o sabão e depois pegava na alça da sacola, ficando a mercê da soda cáustica que impregnava o tecido da alça.
Certo dia achei ter encontrado a galinha dos ovos de ouro. Uma senhora comprou 10 pedras e encomendou outras 10 pedras para a semana seguinte. O preço a convenceu que ficaria minha freguesa, pois usava muito sabão em razão de lavar roupa para fora, como se diz costumeiramente.

Fiquei muito  contente.

Na semana seguinte,  ansioso para entregar o sabão e faturar algum dinheiro, fui direto para o bairro da nova freguesa. Quando a mulher me viu no portão, em vez da simpatia da primeira compra,  ela apareceu com um pedaço de pau numa das mãos, me xingando de nomes impublicáveis e exibindo as mãos em carne viva. O sabão que eu vendia, descobri, tinha um alto teor de soda cáustica e ela ficou com as mãos tão danificadas que estava impedida de trabalhar o pão de cada dia.

Saí dalí correndo para não apanhar, muito embora tivesse vontade de me desculpar.  Esse incidente me fez encerrar a minha curta carreira de vendedor de sabão. É bem verdade que o produto não ajudava, mas não é menos verdade que o vendedor não tinha a menor vocação.
Carlos Souza
Enviado por Carlos Souza em 09/02/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras